Bitcoin é declarado halal e abre o mercado a 1.6 bilhões de muçulmanos

Criptomoedas e seus preços extremamente instáveis e voláteis se postam como sério risco a investidores e especialmente àqueles que acreditam na Xaria, o conjunto de leis islâmicas. Um estudioso islâmico declarou que o Bitcoin é permissível sob a Xaria. Com isso, abre-se um mercado de 1.6 Bilhões de muçulmanos ao redor do mundo. Isto pode explicar a escalada de preço da moeda em mais de 1000 dólares.

Desde que o resto do mundo começou a adotar as criptomoedas, muçulmanos ao redor do mundo eram proibidos de entrar no mercado das criptos. Com a declaração feita pelo estudioso Mufti Muhammad Abu Bakar em seu artigo publicado na última semana. No qual ele discorre sobre o fato de criptomoedas serem ou não halal.

Halal, nas leis islâmicas, se refere à hábitos e produtos que são permitidos na religião, se contrastando com haram, tudo aquilo que é proibido. No artigo, Muhammad diz:

“Na Alemanha, o Bitcoin é reconhecido como moeda legal e por isso se qualifica como dinheiro Islâmico por lá. Em países como os EUA, O Bitcoin ainda não é reconhecido oficialmente como moeda mas é aceito como forma de pagamento em diversos estabelecimentos, e por isso também qualificado por lá como dinheiro islâmico.”

Diversos debates entre estudiosos da religião já ocorreram, já que a Xaria proiba a prática de emprestar dinheiro a altas taxas de juros, alguns estudiosos traçavam uma correlação entre isto e o fato de que o investimento em Bitcoins envolve grandes lucros e perdas.

Mesmo que a suposição é apenas especulativa, muitos acreditam que o salto em valor de mercado do Bitcoin nos últimos dias é justificado pelo fato de a moeda ter sido aberta a 23% da população mundial.

Pouco tempo após a publicação do estudo, mais de um bilhão de dólares foram utilizados em trocas em todo o mundo, causando um aumento no preço de Bitcoins, resultando na maior alta em volume de trocas em apenas uma hora.

Siga nossas páginas nas redes sociais!

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.