Blockchain além das Criptomoedas – Entrevista com Vitalik Buterin

Vitalik Buterin, 23 anos, é o co-fundador da Ethereum, uma plataforma baseada em blockchain que torna possível a qualquer desenvolvedor escrever e distribuir aplicativos descentralizados de próxima geração, sem interferência de terceiros. Em novembro de 2013, Buterin escreveu o WhitePaper da Ethereum sobre protocolos escalonáveis de Blockchain, defendendo a necessidade de um protocolo com um objetivo muito mais geral do que meramente o de registrar ativos e transações em forma de criptomoedas.

Quando você descobriu a Blockchain, Vitalik?

Ouvi falar da Blockchain em 2011, mas eu não fiquei muito interessado a princípio. Eu pensei: “Você tem uma moeda virtual e não pode pagar nada. Como se supõe que isso tenha algum valor? ” Então, eu ouvi sobre isso algumas vezes mais na Internet e eu percebi: “Isso deve ser algo sério que vale a pena eu olhar”. Então, comecei a pesquisar, entrar na comunidade e a escrever sobre o Bitcoin.

Em 2013, desenvolvi projetos de software Bitcoin, co-fundei uma revista Bitcoin e abandonei a universidade para trabalhar em tempo integral. Naquela época, as pessoas estavam começando a perceber que o Blockchain poderia ser usado para muito mais coisas do que apenas como moeda.

Como a comunidade em torno do Bitcoin ajudou você?

Quando entrei no Bitcoin, queria descobrir como a tecnologia funcionava, mas também queria encontrar uma maneira de obter Bitcoins. Eu fui aos fóruns e  encontrei alguém me ofereceu um emprego. Eu escrevi artigos para um blog on-line e consegui 5 bitcoins por artigo (cerca de US $ 4 à época).

O que realmente me atraiu foi o fato de que apenas uma comunidade de pessoas atuando juntas na Internet poderia construir uma alternativa quase do zero, sem envolver quaisquer instituições previamente existentes.

Quando você percebeu que a Blockchain representaria um grande impacto em nossa vida?

O fato de ninguém ter pensado antes sobre o desenvolvimento de uma Blockchain de propósito geral me fez pensar que, assim que eu o publicasse, criptógrafos me mandariam e-mails explicando porque essa seria uma ideia estúpida e por que isso nunca iria funcionar. Mas, para minha surpresa, isso nunca aconteceu. A motivação e o interesse que obtive foram muito maiores do que eu esperava, a comunidade Ethereum começou a se formar e cerca de meio ano depois criamos a fundação Ethereum.

Quando exatamente você teve a ideia de criar o Ethereum?

A idéia por trás do Ethereum começou quando percebi que a Blockchain não era algo relacionado apenas às criptomoedas, mas sobre todas as outras aplicações que a tecnologia permite que sejam realizadas. Quando eu percebi a necessidade de ter um protocolo como um propósito muito mais geral, para evitar modificar o blockchain básico toda vez que alguém quisesse fazer algo novo.

Qual o momento atual no Ethereum?

O roadmap do Ethereum está longe de estar completado e ainda vai demorar mais 3 a 5 anos. Muitas pessoas reclamam das limitações do número de transações e dos usuários que a Blockchain pode processar e nós realmente queremos melhorá-la. Também estamos tentando incorporar algumas inovações em relação à privacidade e segurança. As pessoas reconhecem que nosso roadmap está em paralelo com o crescimento dos recursos que a tecnologia oferece.

Em sua visão, qual é a relação entre computação quântica e Blockchain?

A computação quântica cria um novo tipo de computador que nos permitirá resolver rapidamente alguns problemas que anteriormente eram muito difíceis de resolver. A Blockchain, em geral, depende crucialmente da criptografia para sua segurança e há muitos algoritmos criptográficos que serão muito fáceis de serem quebrados quando os computadores quânticos se tornarem acessíveis.

No entanto, existem algoritmos de criptografia e formas de criptografia que são “quanticamente seguros”, mas estes ainda precisarão ser implementados. Estamos cunprindo algumas etapas iniciais para tentar tornar a Blockchain mais amigável adicionando novos algoritmos criptográficos ao longo do tempo, para que os usuários possam alterná-los quando acharem que precisam de mais segurança.

Você acha positiva a colaboração entre startups e corporações?

Acreditamos fortemente na colaboração e em estar abertos a diferentes comunidades, sejam elas geograficamente diferentes, startups, bancos, governos … Nós nos beneficiamos da colaboração a interação. Muitos dos desafios que as corporações estão tentando descobrir são similares ao tipo de problemas que as startups e pequenos projetos voluntários estão tentando resolver através do uso da Blockchain.

Fonte: https://www.innocells.io/en/thinking/blockchain/#blockchain-is-not-just-about-cryptocurrencies

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.