Japão penaliza corretoras de criptomoedas e confirma envolvimento da Yakuza.

O órgão regulador japonês, a Agência de Serviços Financeiros, emitiu ordens de melhoria nos negócios para seis das 16 empresas neste seguimento totalmente licenciadas do país, incluindo Bitflyer, Quoine e Tech Bureau. A agência confirmou ao site bitcoin.com que pelo menos uma das seis empresas tem algum tipo de envolvimento com a Yakuza, uma organização criminosa.

Atendendo à ordem de melhoria, a Bitflyer suspendeu novos registros de contas. A agência disse que depois de uma inspeção, “não foi estabelecido um sistema de gestão eficaz para garantir a operação adequada e confiável dos negócios, bem como medidas para evitar a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo.” Até 23 de Julho, a corretora deve apresentar um relatório por escrito à agência, que disse ainda que outras cinco corretoras de criptomoedas receberam ordens semelhantes.

A Bitflyer, maior empresa de compra e venda de criptoativos do Japão em volume de negócios, pediu desculpas aos seus clientes pelo ocorrido e disse que elaborou planos para cumprir junto com a agência:
“Com o objetivo de construir prontamente um sistema de gerenciamento de identidade adequado para nossos clientes, decidimos verificar novamente o status da aprovação. E se, por algum motivo, forem confirmados defeitos e deficiências nas informações de registro de um cliente, será necessário reimplementar o processo de confirmação da pessoa. Portanto, em alguns casos, solicitamos aos visitantes que reapresentem seus documentos de confirmação de identidade e pedimos desculpas por qualquer inconveniente.”

Envolvimento do Crime Organizado
Em uma entrevista para um repórter da News.Bitcoin.com em Tóquio, a FSA (Agência de Serviços Financeiros) confirmou que pelo menos uma das seis corretoras de criptomoedas já citadas foi flagrada com algum tipo de envolvimento com o crime organizado, particularmente com a Yakuza. Sem citar quais seriam as agências envolvidas, um porta-voz da agência disse aos repórteres: “A FSA descobriu que algumas empresas não têm um banco de dados atualizado para a triagem de indivíduos que se inscrevem… Recomendamos fortemente que essas empresas eliminem todos os vínculos com grupos anti-sociais [grupos do crime organizado].

Como a indústria de criptomoedas está crescendo no Japão, a FSA apontou a necessidade das corretoras trabalharem juntas com as autoridades locais para criarem um ambiente cada vez mais seguro, com sistemas de monitoramento adequados, incluindo identificação de usuários.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.