Mastercard quer Blockchain para Transações B2B.

mm
A concept showing a network of interconnected blocks of data depicting a cryptocurrency blockchain data on a dark background - 3D render

A gigante de serviços financeiros Mastercard criou um sistema de blockchain que poderia simplificar as transações business-to-business (B2B) em um ambiente corporativo de alto volume.

Esse sistema é descrito em uma série de três pedidos de patentes apresentados pela empresa multinacional de Nova York em março, divulgados na semana passada pelo Escritório de Patentes e Marcas dos EUA (USPTO).

Escrevendo em um único documento, os autores das patentes explicam que os sistemas de liquidação existentes, para transações individuais de ponta a ponta, não se adaptam bem às necessidades das empresas do século XXI.

“Atualmente, os sistemas de liquidação existentes geralmente operam usando a liquidação de transações de pagamento individuais. Por exemplo, depois que uma transação é processada, o banco emissor transferirá fundos para essa única transação, para a rede de liquidação, que encaminhará os fundos dessa única transação para o banco adquirente. Como a maioria das empresas não são empresas financeiras, ou financeiramente reguladas, a inovação transacional B2B deixou os fluxos de pagamento entre as partes intactas”, descreveram os autores.

A Mastercard argumenta que existe a necessidade de um sistema de pagamento uniforme que permita às empresas executar transações B2B com mais eficiência. E a empresa acredita que um blockchain ou outro tipo de livro digital poderia ser uma solução ideal para um sistema de liquidação entre empresas.

Um blockchain, observam os autores das patentes, permitiria que os dados fossem armazenados no sistema em um formato facilmente acessível e auditável pelas empresas conectadas, ao mesmo tempo em que permanecesse altamente resistente a adulterações. Essas características seriam bastante benéficas, especialmente considerando que a maioria dos participantes não seria composta por instituições financeiras.

A patente observa que o sistema pode ser construído em um blockchain público ou privado, mas, se a Mastercard realmente tentar construí-lo, é provável que ele fique em uma rede autorizada.

Isso, pelo fato de que, como relatou a agência de notícias CCN, o CEO da Mastercard, Ajay Banga, tem uma longa história de atacar criptomoedas públicas e descentralizadas. Em julho, ele disse que esses ativos são “lixo”, acrescentando que só estaria interessado em uma moeda digital desenvolvida pelo governo.

Fonte: CCN
https://www.ccn.com/mastercard-thinks-blockchain-can-simplify-b2b-transactions-in-new-patent/

 

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.