Walmart exige que produtores de alimentos usem blockchain.

mm
Modern machine design cube on the metal hand,the concept of core data blocks,3d rendering.

A rede de hipermercados Walmart aconselhou seus produtores de hortaliças a usarem a tecnologia blockchain para rastrear a rota de seus produtos alimentícios e a terem todos os sistemas em funcionamento daqui aproximadamente um ano, a partir de agora, segundo o site da empresa.

Uma carta aos seus fornecedores observou que os EUA sofreram um surto em vários estados, de uma bactéria chamada “E. coli”, que estaria presente em folhas de alface, resultando em 210 casos confirmados, 96 hospitalizações e cinco mortes. A tecnologia Blockchain disponibilizará informações do produto em tempo real em toda a cadeia de fornecimento, do campo à mesa do consumidor.

Durante o recente surto de E. coli, os clientes e as mercearias tiveram que jogar fora grandes quantidades de alface, porque não sabiam se um item que recebiam estava contaminado. Os Centros de Controle de Doenças aconselharam as pessoas a não comerem alface cultivada na cidade de Yuma, Arizona, EUA.

Frank Yiannas, vice-presidente de segurança alimentar do Walmart, disse que os sistemas tradicionais baseados em papel para coleta de informações em fazendas, casas de embalagem e armazéns dificultam o rastreamento de dados críticos de várias fontes. Os processos também consomem muito tempo, já que podem levar sete dias para rastrear um produto. Isso envolve entrar em contato com o fornecedor, obter registros em papel e entrar em contato com a empresa que enviou ou importou o produto para um centro de distribuição do Walmart.

Este processo, então, tem que ser multiplicado pelos 70.000 alimentos armazenados em uma típica loja de alimentos.

A empresa pediu que o novo requisito seja abordado em duas fases. Os fornecedores diretos devem, primeiro, se adequar à rastreabilidade da rede blockchain até 30 de janeiro de 2019. Após essa data, a empresa espera que os fornecedores trabalhem dentro de seus sistemas verticais ou com seus fornecedores até 30 de setembro de 2019, para permitir traçar a rastreabilidade até a fazenda produtora do alimento.

Com o Blockchain, os consumidores terão acesso à origem do produto. A tecnologia blockchain permitirá que um consumidor escaneie uma bolsa de produtos e saiba de onde ela veio.

Robert Tauxe, diretor da divisão de doenças transmitidas por alimentos, disse que a capacidade de rastrear alimentos até sua origem ajudará agências e empresas a identificarem a origem de um surto alimentar e coordenarem recalls mais eficientes.

Fonte: CCN
https://www.ccn.com/walmart-demands-salad-growers-to-use-blockchain-for-food-safety/

 

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.